Follow by Email

sábado, 24 de junho de 2017

Pastor Sebastião da Silva, vereador pelo PSC, em Petrópolis é preso

Vereador e dois assessores de Petrópolis, RJ, são presos por suspeita de desviar dinheiro público

Pastor Sebastião foi preso nesta quinta-feira (22) por agentes do MP. Segundo o órgão, político obteve para si R$ 386 mil, pegando parte do salário de funcionários.


Por G1, Petrópolis

22/06/2017 12h24 Atualizado 22/06/2017 13h00



O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) obteve na Justiça a prisão preventiva de Sebastião da Silva, conhecido como Pastor Sebastião (PSC), vereador em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. Ele foi preso nesta quinta-feira (22) por agentes da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ).


Além dele, dois servidores, que também seriam pastores e ex-chefes do gabinete do político, foram presos nesta quarta-feira (21). Os três foram denunciados pelos crimes de concussão (exigir para si vantagem indevida, em razão do exercício de cargo público) e peculato (desvio de dinheiro público por funcionário que administra verbas públicas).


Segundo a denúncia apresentada pelo MP, entre 2013 e 2016, o Pastor Sebastião exigia de quatro ex-funcionários que trabalhavam em seu gabinete parte do pagamento que recebiam. Os funcionários também eram obrigados a contrair empréstimos na Caixa Econômica Federal, em benefício dele, em troca da nomeação e manutenção de seus empregos no legislativo.


Ainda de acordo com a denúncia, com os empréstimos e os repasses dos contracheques, o vereador obteve para si mais de R$ 386 mil. Os outros dois assessores, homens de confiança do vereador, cobravam e recebiam as quantias em dinheiro.


O MP disse ainda que o vereador de Petrópolis também indicou e obteve a nomeação de outras três pessoas, que jamais exerceram qualquer função pública. Juntos, eles causaram prejuízo ao erário no valor de R$ 243 mil.


Político estava afastado do cargo


Desde o dia 10 de maio, Pastor Sebatsião está afastado do cargo de vereador, por determinação da Justiça. Ele é suspeito de extorsão. Segundo as investigações da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual (MPE), o vereador seria um dos participantes do esquema de corrupção deflagrado na Câmara de Vereadores. De acordo com o MPE, o político está proibido de frequentar o legislativo e o gabinete dele deverá ser desocupado.


Ainda de acordo com as investigações, assim como o ex-vereador Vadinho – preso desde o dia 7 de março por suspeita de concussão (exigir dinheiro) e peculato (desvio de dinheiro público) - o Pastor Sebastião também contratava assessores paro o gabinete e ficava com parte dos salários, no seu último mandato. Além disso, alguns funcionários seriam "fantasmas". 

(Grifos deste blogueiro)

A foto abaixo vem da Gazeta do Povo.



Fonte aqui: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário